Category 1

sexta-feira, 27 de novembro de 2015


A dengue é uma velha conhecida dos brasileiros, e a hidratação é a principal forma de combate. O que muitos não sabem é o porquê é tão necessário se hidratar.

Durante a doença, ocorre alteração da permeabilidade dos vasos sanguíneos, e a consequência é a diminuição de líquido e sais minerais na circulação. A hidratação ajuda a repor essa perda.

Já a dengue hemorrágica deriva de uma resposta exagerada do corpo contra a doença, aumentando excessivamente o número de anticorpos e causando uma queda no número de plaquetas no sangue. Essa combinação lesiona a veia e diminui a capacidade de cicatrização, causando hemorragias internas, o que pode ser fatal. Se não houver hidratação no começo dos sintomas, caso haja esse agravamento a chance de recuperação fica cada vez menor.

Essa desidratação não é perceptível pelo próprio paciente, por isso, em caso de sintomas da dengue, hidrate-se por precaução e vá direto ao médico. Melhor prevenir do que acabar tomando soro na veia, certo?

Dengue: por que é imporante se hidratar

View image | gettyimages.com A dengue é uma velha conhecida dos brasileiros, e a hidratação é a principal forma de combate. O que muitos...

sábado, 18 de julho de 2015


Viver em São Paulo significa morar em lugares cada vez menores e desconfortáveis, mas um bom trabalho de arquitetura pode fazer uma tremenda diferença, e essa casa, no bairro da Lapa, é um ótimo exemplo.

Planejada pelos arquitetos da Terra e Tuma, o estilo loft da residência ficou bastante moderno e descolado, rendendo alguns prêmios para a empresa.

A casa possui três andares (um acima do pavimento da rua, e outro abaixo), e foi toda construída com materiais simples: blocos de concreto sem revestimento, pisos e escadas de concreto, além da tubulação exposta. Na cobertura é possível ver uma boa parte do bairro da Lapa, o que não é a visão mais agradável do mundo, mas o interior da residência supera as expectativas.
































"Casa Maracanã" em São Paulo

Viver em São Paulo significa morar em lugares cada vez menores e desconfortáveis, mas um bom trabalho de arquitetura pode fazer uma treme...

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014


As revelações de Edward Snowden sobre a espionagem da NSA envolveu o mundo inteiro. Líderes de países, empresas, comunidades, e até cidadãos comuns. Mensagens sobre terrorismo e romances online. Tudo foi cuidadosamente vigiado.

O documentário Citizenfour dirigido por Laura Poitras mostra como Snowden fez as revelações e os oito dias os quais ele passou em um hotel de Hong Kong enquanto disseminava os documentos. Obviamente a disseminação precisou ser feita cuidadosamente, tomando todas as precauções possíveis pela questão da espionagem, e o mesmo precisou ser feito com o documentário.




O site americano The Verge entrevistou Laura Poitras para descobrir os métodos que a equipe de produção do documentário usou para evitar que qualquer dado sobre Snowden vazasse para a NSA ou o governo norte-americano. Segue aqui a entrevista traduzida:


HDs criptografados

"Todos os nossos arquivos estavam criptografados nos HDs, então era preciso logar com senhas para acessá-los, e se a sala de edição fosse invadida, eles não teriam acesso aos vídeos. Isso significa muitos HDs criptografados, mas assim que você liga o computor e coloca a senha, não é muito diferente do que você está acostumado. Apenas leva mais tempo e você precisa de alguém dedicado a isso. E tecnicamente, leva um tempo para fazer a criptografia, mas uma vez feita, tudo funciona como um HD normal.

Quando estávamos terminando, tínhamos muitas pessoas mexendo com o áudio e fomos bastante cautelosos sobre transferir isso via cabo. Nós simplesmente deixamos de lado. Todos usaram comunicação criptografada por PGP, ou seja, nós realmente treinamos muita gente sobre como usar criptografia. Nós tinhamos que compartilhar cenas, então criamos alguns protocolos, senhas compartilhadas que foram decididas em New York, e usávamos estas senhas para mover os arquivos criptografados. Tudo fica mais complexo, mas as consequências negativas poderiam ser tão ruins que nós simplesmente precisávamos de toda essa segurança."


Diferentes níveis de segurança significa usar diferentes computadores

"Eu definitivamente usei diferentes computadores para diferentes tarefas. Tinha um computador rodando Tails que era algo como... um monte de coisa foi tirada dele, simplesmente arrancamos. Microfones e tudo mais. E tinha um que eu usava internet. E claro, eu usava programas como o Tor para navegar na internet. Mas eu já fazia isso muito antes de Snowden.

Quando voltei de Hong Kong depois de encontrar com Snowden, eu voltei para Berlin e simplesmente parei de usar celular. Eu decidi que era bom eu me livrar dele por uma série de razões. Um celular é um microfone e um dispositivo de rastreamento, e eu pensei... eu não vou transmitir isso. Então eu parei de usar um celular enquanto editava, mas agora que voltei para fazer a distribuição do documentário, eu preciso falar falar com muita gente, então eu voltei a usar um celular.

Uma vez que você fica ciente dos riscos, as escolhas são bem simples. É apenas precaução, e em qualquer contexto você precisa ser cauteloso. Pense 'oh, isso é perigoso. Seu celular é perigoso nessa situação.' Isso vira meio intuitivo. Se estivéssemos falando sobre algo confidencial, eu apens diria para tirarmos os computadores da sala. Isso se torna a coisa mais óbvia a se fazer por precaução.


Não deixe de aprimorar quando for necessário

"Quando os primeiros emails de Snowden chegara, ele perguntou a minha chave e eu a dei, e então ele perguntou coisas sobre meu computador, para ter certeza que estava seguro. Então eu obtive algumas informações e assim que isso aconteceu eu pensei, ok, eu preciso estar em outro sistema. Estava claro que eu queria me livrar do que estava associado a mim pelo meu nome verdadeiro. Eu tinha outro computador barato que eu comprei com dinheiro vivo e passei a usar Tails para me comunicar, além de vários emails anônimos que eu trocava de tempos em tempos. E foi basicamente usando Tails com PGP, nada de chats em tempo real nesse ponto. Depois de Hong Kong, começamos a usar chat por OTR. É uma combinação de fatores.

Quando Snowden assistiu ao filme, ele tinha várias observações operacionais. Tinha um pouco de criptografia por cyphertext no filme e ele queria saber se eu tinha usado novas chaves - e eu realmente tinha. Se ele estava digitando uma senha em alguma tela, nós mudávamos o áudio para que ninguém pudesse decifrar o que ele estava digitando. E ele tinha várias observações sobre hardware também: 'Você sabia que você pode ver aquele USB plugado no player?'"

Citizenfour: como produzir um documentário sobre Edward Snowden sem cair no sistema da NSA?

As revelações de Edward Snowden sobre a espionagem da NSA envolveu o mundo inteiro. Líderes de países, empresas, comunidades, e até cidad...

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014


Para os que estão por fora das notícias ultimamente, a Sony Pictures produziu um filme chamado "A Entrevista", programado para estrear na época de natal nos Estados Unidos. O filme é uma típica comédia norte-americana e conta com James Franco e Seth Rogen no papel de dois jornalistas convocados pelo governo para assassinar o líder norte-coreano Kim Joung-un.


O líder norte-coreano não aprovou o filme, por motivos óbvios, e o porta-voz oficial do país declarou que o lançamento do filme seria um "ato de terrorismo e de guerra", e que não seria tolerado. Parece que ninguém nos EUA deu muita bola e a Sony declarou que lançaria o filme mesmo assim. Inclusive, Seth Rogen comemorou no twitter.

O que ninguém esperava era que houvesse realmente alguma retaliação em relação ao filme, mas no final de novembro hackers conseguiram invadir os servidores da Sony Pictures. Centenas de dados vazaram, desde documentos e salários de funcionários, até emails e roteiros de filmes.

Até aí, nada que fizesse a Sony Pictures parar com a divulgação do filme. Eis que o grupo hacker por trás das invasões tocar no calcanhar de Aquiles dos americanos: o 11 de setembro; o que fez com que as maiores redes de cinema do país cancelassem a estreia do filme em suas 18 mil salas espalhadas pelos Estados Unidos. Em seguida, a própria Sony cancelou o lançamento do filme.

Não é a primeira vez que o mundo subestima o poder da Coreia do Norte, mas é a primeira vez que nós vemos do que ela é capaz. Oficialmente, o porta-voz norte-coreano nega a participação do país nos ataques. Entretanto, os Estados Unidos já estão apontando todos os dedos para os norte-coreanos.

Independente de quem tenha praticado o ataque, uma coisa é certa: os EUA foram pressionados dentro do seu próprio país, de novo. Os cinemas se recusaram a passar o filme, a própria Sony Pictures derrubou o lançamento do filme em todos os países e até um filme de Steve Carell que envolvia a Coreia do Norte no roteiro foi cancelado.

Estamos vivendo a guerra do futuro. A guerra da inteligência e da informação. E os hackers estão no comando da situação com todas as informações que a Sony mantinha em segredo. Os americanos querem que a Sony ignore as ameaças e reaja.



Mas a Sony não parece que pretende reagir, e o motivo disso pode estar em alguns dos dados já vazados. Além de fofocas do mundo das celebridades, filmes que ainda não foram lançados, e até o roteiro de um novo filme do James Bond, alguns vazamentos foram mais alarmantes:  primeiro, uma troca de emails entre um produtor e a vice-presidente da Sony Pictures, Amy Pascal, fazendo piadas sobre a cor de pele do presidente Barack Obama. Isso parece bastante grave, mas não é o mais chocante. Os maiores estúdios de Hollywood (Sony, Fox, Universal, Paramount, Warner Bros. e Disney) e a MPAA (Motion Picture Association of America) se juntaram para realizar o "Projeto Goliath".

O projeto se resume em acabar de vez com a pirataria, bloqueando todos os sites envolvidos, e atacando o que eles consideram a principal fonte: o "Goliath". Pelo teor dos emails, o termo "Goliath" poderia ser facilmente substituído por "Google". Em alguns emails, a coalisão de estúdios cita o Google diretamente, deixando claro, na visão deles, que uma guerra legal precisa acontecer para tirar o serviço de buscas da jogada.

A Sony Pictures com certeza não quer correr o risco de um ataque terrorista durante a exibição de seu filme, mas essa não parece ser a principal razão para que o estúdio tenha desistido da estreia. Pode apostar que tem muito mais sujeira debaixo do tapete.

Sony x Hackers: um momento histórico nos EUA, mas não como você esperava

Para os que estão por fora das notícias ultimamente, a Sony Pictures produziu um filme chamado " A Entrevista ", programado par...

sábado, 13 de setembro de 2014



Mais um anúncio de senhas expostas na internet: foram quase 5 milhões de senhas de usuários do Google que vazaram, e isso sempre gera preocupação nas pessoas, principalmente porque a maioria usa a mesma senha para todos os sites que existem. Quer saber se a sua senha foi exposta?

O site “Have I been pwned?” foi criado para ajudar os usuários a detectarem quando sua senha e seus dados pessoais são roubados de algum site específico. Seu criador é Troy Hunt, especialista em segurança na web, que dá importante respaldo para o site.

A página já lista mais de 16 serviços hackeados, e 161 milhões de contas roubadas, de usuários da Adobe, Snapchat, Yahoo, Sony, entre outras. É possível pesquisar por email ou login, e também há a opção de cadastrar seu email para ser avisado caso haja alguma invasão em massa de outro serviço no qual seu email faz parte.

Descubra se sua senha foi roubada por hackers

Mais um anúncio de senhas expostas na internet: foram quase 5 milhões de senhas de usuários do Google que vazaram, e isso sempre gera ...

quarta-feira, 13 de agosto de 2014



As senhas são suas chaves da porta de entrada de praticamente todos os sites hoje. É preciso criar senhas para seus perfis no Facebook, LinkedIn, Twitter, além de senhas para seu email, senhas do cartão de crédito, senhas do banco, fóruns… e com certeza é difícil lembrar de todas. Isso faz com que a maioria das pessoas criem senhas fracas, usando dados pessoais como a data de nascimento, placa do carro, nome de parentes ou até mesmo o próprio nome. Pode ser fácil de lembrar, mas também é muito fácil de adivinhar.

Entenda como os hackers podem conseguir sua senha, para saber como se proteger 

Existem três meios de um hacker conseguir sua senha:
  1. Ele já teve acesso a sua senha por alguma brecha de segurança dos sites onde você tem conta
  2. Na base da tentativa e erro, literalmente tentando adivinhar sua senha
  3. Com um programa que tenta milhares de combinações possíveis de senhas diferentes, até acertar
Com essas informações em mãos, fica mais fácil saber por onde começar a melhorar sua senha.

Evite usar a mesma senha em todos os lugares 

Pode ser difícil lembrar de todas as senhas, mas este é o meio mais eficaz de se proteger. Assim, caso alguém descubra sua senha, irá descobrir a senha de apenas um lugar, e não de todas as suas contas.  

Não use senhas óbvias 

As pessoas só passaram a usar senhas mais fortes, porque os sites as obrigam a isso. Muitos sites passaram a obrigar o usuário a colocar caracteres minúsculos e maiúsculos, números, e caracteres especiais. Infelizmente, isso não fez com que as senhas ficassem realmente mais difíceis de adivinhar, graças aos usuários, que encontraram um meio de facilitar tudo para os hackers.

As pessoas não fizeram uma senha mais difícil, apenas passaram a acrescentar o caractere obrigatório. Por exemplo, alguém que usava a senha “pedrosilva”, passou a usar “pedrosilva1″, “pedrosilva123″, “PedrosilvA”, “pedrosilva1990″, “p3dr0s1lva”… e isso vale para qualquer palavra no lugar de “pedrosilva”.


Muita gente usa a mesma senha desde que entrou na internet a primeira vez, e criou pequenas variações sem se preocupar com a segurança. Além de ser fácil adivinhar, principalmente se quem está tentando roubar sua senha conhece você, qualquer programa que descobre senhas descobriria isso em poucos minutos. E apesar de muitos acharem que é mito, esses programas são mais fáceis de encontrar do que se imagina.


Por isto, crie senhas realmente diferentes. Evite qualquer tipo de informação pessoal, coloque números em outros lugares, não forme palavras, principalmente palavras óbvias, e tente usar as senhas mais aleatórias possíveis. Use caracteres especiais (@, !, ?), use acentos (ao invés de usar “a”, use “à”, e assim por diante).  

Autenticação em duas etapas 

Por mais que sua senha seja forte, é sempre possível que alguém a descubra, mesmo que seja literalmente olhando você digitá-la. Por este motivo, a melhor coisa é sempre ativar aautenticação em duas etapas em todos os sites onde isso for possível.

Com a autenticação em duas etapas ativada, sempre que você for se logar, o site pedirá um código (algo como os “tokens” que os bancos usam), além de sua senha. Este código normalmente vem por SMS no seu celular, mas também é possível usar um segundo email para recebê-lo, um aplicativo no celular como o Google Authenticator, ou ou aplicativo no seu computador, como o Authy. Assim, mesmo que alguém consiga descobrir sua senha, dificilmente essa pessoa terá acesso ao seu código de acesso e não conseguirá invadir sua conta. 

Password Managers 

A parte mais difícil de manter suas senhas seguras com certeza é como lembrar de todas elas, já que ficam cada vez mais longas e complexas.

Para isto, foram criados os password managers, programas que salvam suas senhas criptografando todas as informações com uma senha mestra, que é a única que você precisa realmente lembrar.


Existem os aplicativos baseados em web, os quais você usa direto de um site, como o LastPass e o RoboForm Everywhere, ambos gratuitos. Também existem os que armazenam seus dados localmente, no seu computador. Os mais famosos são 1PasswordKeePass e Roboform (Desktop).


Vale a pena pegar o que cada um oferece de diferente, os preços e funcionalidades, além de seu estilo pessoal, para decidir qual usará.

Como criar senhas fortes e organizá-las da melhor maneira

As senhas são suas chaves da porta de entrada de praticamente todos os sites hoje. É preciso criar senhas para seus perfis no Facebook, ...

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Que a internet é um mar aberto onde todos navegam, você provavelmente já sabe. Muita gente consegue ver praticamente tudo que você faz, desde a sua provedora de internet (NET, Vivo, GVT...) até hackers mal-intencionados só esperando o seu primeiro deslize.



O ZenMate funciona como uma extensão para o Google Chrome (outros navegadores serão suportados em breve) e é uma junção de VPN com Proxy. Ele promete criptografar toda a sua navegação realizada através do Chrome, possibilitar mudar o seu IP para outras 5 localidades (Reino Unido, EUA, Hong Kong, Suíça e Alemanha) e o melhor: tudo isso de forma gratuita eterna para quem acessar o serviço enquanto ainda está no começo.

Com esse plugin, nem a sua operadora de internet, nem o governo, nem hackers conseguirão ver seus dados de cartão de crédito, logins em redes sociais e qualquer outra atividade que realizar.

O serviço já recebeu vários prêmios, entre eles o The Europas Award na categora "Melhor Startup de Privacidade", além de ser apoiada pela Electronic Frontier Foundation, os mesmos criadores do HTTPS Everywhere.

A melhor solução para manter a sua privacidade na internet: ZenMate

Que a internet é um mar aberto onde todos navegam, você provavelmente já sabe. Muita gente consegue ver praticamente tudo que você faz, desd...

 

Muralhas do Brasil © 2015 - Designed by A